Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Operação Amazônia: ministro da Defesa acompanha simulação de ataque inimigo


Boa Vista (RR), 17/10/2014 – O ministro da Defesa, Celso Amorim, acompanhou nesta sexta-feira (17) uma demonstração de assalto aeromóvel, atividade que simula a invasão de um país inimigo ao território nacional. A ação, que faz parte da Operação Amazônia, ocorreu em Boa Vista (RR).

Na atividade, caças A-29 da Força Aérea Brasileira (FAB) realizaram simulação de ataque aéreo a tropas do Exército em solo. O objetivo da ação foi testar o poder de reação das Forças Armadas frente aos invasores fictícios.


Em seguida, helicópteros da Força Terrestre entraram em cena. Nessa etapa, foram empregados dois HM-2 BlackHawk, um HM-3 Cougar – de transporte de tropa – e um HM-1 Pantera para segurança das demais aeronaves.

Militares desceram dos aviões e tomaram o local. Por fim, a missão foi bem-sucedida e o espaço conquistado.

Participaram da simulação efetivos de batalhões de Infantaria de Selva, Selva Aeromóvel e Aviação do Exército. Uma companhia de Forças Especiais e um esquadrão da FAB também fizeram parte do exercício.

O ministro Celso Amorim ressaltou a importância desse tipo de atividade em uma “área sensível” como a Amazônia, região que, segundo ele, está sujeita a cobiça por suas riquezas naturais. Para ele, ações como essa ajudam a aprimorar a mobilização integrada das três Forças. "A interoperabilidade é importante na defesa, integridade e soberania do país", disse.

Ele lembrou, também, da missão fundamental das Forças Armadas, demonstrada no exercício. "O povo brasileiro tem grande apreço às Forças pela atuação nos grandes eventos como a Copa do Mundo, mas o papel principal é na defesa da soberania nacional."

Teatro de operações
 


No dia anterior, Celso Amorim desembarcou em Manaus (AM), onde recebeu informações sobre a didática da operação, seus objetivos e resultados.

Ficou a cargo do comandante militar da Amazônia, general Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, mostrar ao ministro a divisão da ação em países (exércitos) de cores variadas. Todas as atividades consistiram em simular eventuais situações de ataque ao território.

São utilizadas pela Marinha as Bases Navais de Manaus e Belém (PA); tropas de Engenharia, Artilharia e Inteligência do Exército, entre outras; e pela FAB, as Bases Aéreas de Manaus e Boa Vista (RR).

Estiveram presentes na simulação o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, general José Carlos De Nardi; o comandante do Exército, general Enzo Martins Peri; e os chefes do Estado-Maior da Armada, almirante Carlos Augusto de Sousa, e da Aeronáutica, brigadeiro Ricardo Machado Vieira.


Fotos: Jorge Cardoso
Ministério da Defesa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]