Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Austrália recebe primeiro navio anfíbio no dia 28 de Novembro

O próximo 28 de Novembro marcará uma data muito importante para a Marinha Real Australiana já que nesse dia será oficialmente recebido o primeiro de dois navios de projeção estratégica do tipo BPE (Buque de Proyección Estratégica) da Espanhola Navantia contratados pela DMO (Defence Materiel Organisation) da Austrália em 2007 no âmbito do projeto JP2048 Phase 4A/4B à BAE Systems Australia e aos seus parceiros Navantia, Saab e L-3 Communications. 

O navio HMAS "Canberra" será oficialmente entregue à RAN (Royal Australian Navy) numa cerimónia a ser realizada em Garden Island, Sidney. Este completou em Agosto passado os testes de mar, durante os quais foi extensivamente avaliado o seu sistema de combate. Estima-se que o evento será presidido pelas mais altos representantes político e militares da Austrália. Do lado Espanhol, espera-se entre outros o Ministro da Defesa Pedro Morenés. A segunda unidade HMAS "Adelaide" tem como data esperada de entrega Abril de 2016.

Ambos os cascos dos navios que formam a Classe Canberra foram construídos nas instalações de Fene-Ferrol da Navantia e transportados por via marítima em 2012 e 2013 respetivamente para Williamstown na Austrália onde receberam a superestrutura e outros equipamentos e sistemas de missão.

O navio Australiano oferece um deslocamento de 27.500 toneladas, um comprimento de 230.8 metros, uma boca máxima de 32 metros, uma velocidade superior a 20 nós, uma autonomia superior às 6000 milhas náuticas quando a uma velocidade de cruzeiro de 15 nós, e é operado por uma guarnição constituída por 243 elementos. Entre os seus equipamentos destacam-se o sistema de gestão de combate 9LV Mk 4 da Saab, o radar de busca tridimensional Sea Giraffe AMB também da Saab, sensores eletro-óticos de busca e rastreamento Vampir NG da Sagem, o sistema integrado de controlo da plataforma da Navantia Sistemas, e estações remotamente operadas Rafael Advanced Defense Systems Typhoon armadas com a peça automática de 25mm e uma metralhadora de 7.62 mm. A propulsão está constituída por dois motores a Diesel 16V32/40 da MAN Diesel & Turbo SE, uma turbina a gaz GE Marine LM2500, dois propulsores elétricos contentorizados azimutais eSiPOD da Siemens, um gerador de emergência e propulsores de proa.

As características multifunções dos navios permite-lhes que possam cumprir um leque alargado de missões nomeadamente o transporte de tropas, veículos, contentores e outros equipamentos; garantir o apoio médico; realizar missões de evacuação humanitária; prestar apoio logístico em zonas afetadas por catástrofes naturais e conflitos armados; e atuar como centro de comando de operações conjuntas.

Os navios da Classe Canberra foram projetados para acomodar e operar lanchas de desembarque LCM- 1E das quais foram em Dezembro de 2011 contratadas 12 unidades à Navantia, assim como meios aéreos incluindo helicópteros Seahawk, Blackhawk, Chinook, MRH 90 e Tiger ARH, e aeronaves de asa fixa do tipo VSTOL (Vertical and/or Short Take-Off and Landing).

A Austrália foi a segunda nação a contratar o navio anfíbio do tipo BPE depois da Espanha que opera uma unidade, o SPS "Juan Carlos I" (L61). A Turquia devera ser o próximo cliente, já que esta escolheu no final de 2013 o desenho da Navantia, e devera formalizar nos próximos meses a compra através de um contrato com o estaleiro local Sedef Gemi Insaati. (Victor M.S. Barreira)

( Defensa.com) 

Fotografia: Até 2016, a Austrália contará com dois navios multifunções que formarão a Classe Canberra (Navantia).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]