Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Investigadores suspeitam de falha em dispositivo de freio em acidente da Virgin Galactic

A investigação sobre o desastre ainda deverá levar meses e autoridades americanas dizem que ainda é cedo para determinar uma causa
Investigadores que analisam as causas da queda da espaçonave de turismo SpaceShipTwo anunciaram nesta segunda-feira que um freio usado para a reentrada da nave na atmosfera foi acionado à revelia dos pilotos durante o voo de teste na última sexta-feira.

Porém, o chefe da comissão investigadora, Cristopher Hart, disse que ainda é cedo para confirmar se a falha pode ter sido uma das causas do acidente que matou um dos pilotos e deixou o outro gravemente ferido no Deserto do Mojave, Califórnia (EUA).

O piloto morto no teste foi identificado como o americano Michael Alsbury, de 39 anos. Seu colega, Peter Siebold, de 43, conseguiu saltar de paraquedas.

Ambos trabalhavam para a Scaled Composites, empresa para a qual a Virgin Galactic terceirizara as operações de seu projeto de oferecer voos para "turistas espaciais".

No domingo, os investigadores disseram que poderia levar até um ano para encontrar uma explicação para o acidente. A empresa dona da aeronave, a Virgin Galactic, também especulara sobre possíveis problemas com um novo tipo de combustível.

No entanto, ambos os tanques e o motor da SpaceShip 2 foram encontrados intactos nas operações de busca.

"Os dados de telemetria mostram que a espaçonave foi lançada normalmente e o motor teve ignição sem problemas. Nove segundos depois, os dados mostram que o freio foi acionado", explicou Hart.


Michael Alsbury, o piloto que morreu no acidente com a SpaceShip Two, tinha mais de 15 anos de experiência
"Mas gostaria de enfatizar que ainda não é possível determinar as causas do acidente. Temos meses e meses pela frente para determinar o que aconteceu. Estaremos avaliando os procedimentos de treinamento dos pilotos, analisando a segurança, o projeto estrutural. Temos muito a fazer".

No entanto, a comissão investigadora não proibiu a Virgin Galactic de prosseguir com os testes.

E a empresa negou que tivesse negligenciado a segurança da aeronave ou dos pilotos, apesar dos seguidos adiamentos no início das operações de "turismo espacial".

A mídia britânica especulou durante o fim de semana que as pressões do cronograma tinham levado a Virgin Galactic a acelerar o número de testes.

No domingo, em entrevista à BBC concedida na Base Espacial de Mojave, onde a nave estava sendo desenvolvida, o dono da Virgin Galactic, o bilionário Richard Branson, disse que "ninguém subestima os riscos envolvidos na viagem espacial".

Ele afirmou ainda que acidentes nas primeiras tentativas do homem de desenvolver a aviação comercial não impediram que o meio de transporte se tornasse o mais seguro.


O chefe da comissão investigadora do acidente, Cristopher Hart, explicou que falha no freio ainda não pode ser apontada como causa da queda

"Devemos a nossos pilotos de testes descobrir o que saiu errado e, quando descobrirmos, poderemos superar isto e vamos garantir que o sonho continue", disse o bilionário.

Segundo Branson, a Virgin Galactic e os parceiros no projeto estão "realizando um amplo programa de testes há muitos anos e a segurança sempre foi a prioridade número um".


Acidente


O chefe da comissão investigadora do acidente, Cristopher Hart, explicou que falha no freio ainda não pode ser apontada como causa da queda
O plano original da Virgin Galactic era lançar o primeiro voo sub-espacial a partir do ano que vem. Mais de 700 pessoas já tinham feito reservas, apesar do preço altíssimo da passagem - cerca de R$ 625 mil.

A SpaceShipTwo estava realizando o primeiro voo teste em nove meses quando explodiu logo depois da decolagem perto da cidade de Bakersfield, na Califórnia, EUA.

De acordo com o editor de Ciência da BBC, David Shukman, mesmo quando a causa do acidente for descoberta, este será um grande problema para a Virgin, "uma companhia que tentava ser a pioneira em um novo setor, turismo espacial”.

“Confiança é tudo e isto não vai estimular a longa lista de celebridades e clientes milionários esperando pelo primeiro voo", diz Shukman.

Branson seria passageiro da viagem inaugural, mas celebridades como o cantor Justin Bieber e os atores Tom Hanks e Leonardo Di Caprio teriam entrado na fila.


BBC- Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]