Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Novos caças terão telas feitas no Estado


A AEL, empresa com sede em Porto Alegre, deve ser uma das parceiras brasileiras que vão ajudar na fabricação dos aviões

Linköping, Suécia

Um nome familiar aos gaúchos frequenta as apresentações formais da sueca Saab sobre os parceiros brasileiros que vão ajudar a tirar do chão a entrega de 36 caças para a Força Aérea Brasileira (FAB) a partir de 2018.

A AEL, empresa com sede em Porto Alegre que pertence à israelense Elbit, deve ser a fornecedora de um dos grandes diferenciais das aeronaves que vão atuar no Brasil em relação às 60 semelhantes encomendadas pela Força Aérea da Suécia: uma grande tela única que ficará no painel de controle vai concentrar todas as informações em lugar das três telas separadas que são consideradas "tradicionais" pelos pilotos.

Conforme Jan Germunsson, vice-presidente de Parcerias Industriais da Saab, o acordo que culminou com a decisão de transferir tecnologia para o Brasil foi "um longo caminho". Quem teve a palavra final sobre qual empresa deveria receber essa transferência, assegurou, foi a própria Saab.

O executivo ressaltou que há total disposição de cumprir o compromisso, visto com certo ceticismo no Brasil, e o justifica não como exigência contratual, mas como estratégia de negócios.

Segundo Germunsson, quando o contrato é finalizado, o cliente, no caso o Brasil, pode ser perdido para novos mercados. Seria o caso da Saab se a escolha da empresa como fornecedora das aeronaves para FAB não passasse pela construção dessas parcerias locais.

Para cumprir esse objetivo, a Saab vai formar uma joint venture com a Inbra Aerospace para constituir a São Bernardo Tecnologias Aeronáuticas, em São Bernardo do Campo (SP). 


Também participam de parcerias a Embraer, que fará a montagem final das aeronaves em Gavião Peixoto (SP), e outras quatro empresas, entre as quais a Mectron, da Odebrecht, que vai integrar o armamento dos caças.

Conforme Andrew Wilkinson, chefe do projeto Gripen Brazil, que esteve em Porto Alegre conversando com os executivos israelenses e brasileiros da AEL, houve uma espécie de concorrência entre algumas candidatas, entre as quais uma empresa de renome mundial" para definir qual seria a escolhida.

– Os engenheiros da Saab ficaram muito bem impressionados com o que viram na AEL – relatou a Zero Hora.

Como o contrato com a FAB acabou de ser assinado, no dia 24 de outubro, a previsão da Saab é de que os acordos com cada uma das empresas que receberá transferência de tecnologia sueca só devem ser completados até meados de 2015.


Zero Hora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]