Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

As novas aeronaves CARACAL HM-4 (EC-725)


De acoro com o Ministério da Defesa, a recente aquisição, junto à fabricante francesa Airbus Helicopter, de um pacote de 50 novas aeronaves EC 725 Caracal não é uma simples aquisição de material; pois, de acordo com a Estratégia Nacional de Defesa, que amparou esta aquisição, é obrigatória a transferência de tecnologia para o Brasil. Tal procedimento permitirá a montagem e a venda das aeronaves para toda América do Sul a partir da Helibrás, com sede em Itajubá (MG), representante brasileira da Airbus Helicopter. No dia 20 de dezembro de 2010, foram entregues as três primeiras aeronaves ao Brasil, sendo uma para a Marinha do Brasil (MB), uma para o EB e outra para a Força Aérea Brasileira (FAB).

O EB, à semelhança da MB e da FAB, receberá 16 aeronaves, além de outras duas para uso exclusivo da Presidência da República. O cronograma prevê a entrega das últimas unidades em 2016. Até abril de 2014, a Aviação do Exército recebeu quatro aeronaves.


Segundo o ex-Ministro da Defesa Nelson Jobim, os equipamentos entregues, em 20 de dezembro de 2010, são os únicos produzidos na França. Os próximos lotes serão construídos integralmente na fábrica da Helibrás. O projeto é resultado da parceria estratégica assinada em dezembro de 2008 pelos então presidentes do Brasil e da França. O programa prevê transferência de tecnologia e aumento progressivo de conteúdo nacional até um mínimo de 50%, com benefício às diversas empresas brasileiras que se tornarão fornecedoras. A compra dos helicópteros é uma das primeiras consequências da Estratégia Nacional de Defesa (END). A partir do momento em que as discussões internas da estratégia apontavam para a necessidade de aumento da capacitação nacional em defesa e de coordenação do Ministério nos projetos estratégicos das Forças Armadas, providências nesse sentido passaram a ser tomadas, antes mesmo da publicação do decreto que instituiu a END, que ocorreu em dezembro de 2008.

Características do HM-4 (EC 725)

Segundo o Comando de Aviação do Exército (CAvEx), o helicóptero EC 725 fabricado pela Empresa Eurocopter é o novo integrante da frota da Aviação do Exército (AvEx) e foi batizado HM-4 Caracal. É um helicóptero biturbina médio, da classe de 11 toneladas, com performance garantida pela já experiente família Super Puma/Cougar. Permite o transporte de até 29 combatentes equipados e dois pilotos. Na AvEx, à semelhança do HM-3 Cougar, o HM-4 será tripulado por dois pilotos e dois mecânicos de voo; sendo possível então o transporte de até 27 combatentes armados e equipados. O helicóptero tem capacidade de carregar, também, carga de combustível de 2.268 kg, o que garante uma autonomia de voo de até cinco horas.

O Caracal foi desenvolvido com alta tecnologia, incluindo projeto modular dos conjuntos mecânicos e emprego de material composto de alta resistência como fibra de carbono. A aeronave conta com painéis de Liquid Crystal Display (LCD) – multifunções adaptados para missões com a utilização de óculos de visão noturna; possui dois motores Makila 2A, que permitem potência suficiente e segurança, graças a uma total redundância com  duplo  canal  no  sistema  FADEC – Full Authority Digital Engine Control, que permite à aeronave um controle digital de combustível, inclusive com partida automática. O HM-4 está apto para cumprir todas as missões de transporte logístico, exfiltração e infiltração aéreas de tropa em área de difícil acesso para aeronaves de asa fixa. Pode, também, cumprir missões de busca e resgate; operações especiais; evacuação aeromédica; missões cívico- sociais, de integração nacional, de misericórdia e humanitárias.


O Caracal possui cabine Glass Cockpit, uma tecnologia de última geração na qual a cabine de comando da aeronave possui vários displays de instrumentos eletrônicos com telas de LCD. Um painel de comando tradicional, como os que equipam as outras aeronaves da AvEx, depende de inúmeros instrumentos analógicos para exibir as informações do voo e da aeronave. A cabine Glass Cockpit usa vários monitores digitais, impulsionados pelos sistemas de gestão de voo, que podem ser ajustados para exibir  informações de voo, conforme seja necessário. Com isso, fica simplificada a operação das aeronaves e da navegação, o que permite aos pilotos focarem nas telas de LCD apenas as informações mais importantes para determinada fase do voo.

Possibilidades e Limitações do HM-4 Caracal

Para o emprego desta aeronave, é necessário o pleno conhecimento de suas características, possibilidades e limitações. Com seu peso máximo de decolagem na casa das 11 toneladas, ou seja, duas toneladas a mais que o HM-2 Black Hawk e o HM-3 Cougar, o Caracal se torna um elemento facilitador do planejamento e da execução das operações militares.

De acordo com a Airbus Helicopter  (2010), o HM-4 é aprovado para voar em qualquer parte do mundo durante o dia ou à noite, em condições de voo visual ou sob condições de voo por instrumentos, nas quais a visibilidade é baixa ou nula. Foi desenvolvido para operações de busca e salvamento, transporte de tropas, transporte de cargas internas ou externas, evacuação aeromédica, voo de translado, além das missões que requerem a utilização de armamento.


São proibidos, segundo a fabricante Airbus Helicopter, o voo para a retaguarda, de forma que os gases de exaustão entrem na cabine; pouso corrido em solo macio; penetração intencional em nuvens com grande desenvolvimento vertical (excesso de turbulências); o pouso em autorrotação1 completa intencional; o voo monomotor intencional fora de treinamento; a transferência de combustível entre tanques durante pouso e a decolagem e o voo sob condições de gelo conhecidas.

Conclusão
O EC 725 encontra-se em fase de implantação no 1º Batalhão de Aviação do Exército (1ºBAvEx) e já está sendo utilizado nas atividades operacionais em que a Aviação do Exército é empregada. Durante a Copa do Mundo da FIFA 2014, o HM-4 teve plena participação nas operações, inclusive foi empregado na preparação da Brigada de Operações Especiais, em Goiânia.

OBSERVAÇÕES:
– a fábrica de Helicópteros Eurocopter foi recentemente adquirida pela Airbus e tornou-se a Airbus Helicopter;
– a aeronave EC 725 foi denominada de CARACAL pela fabricante. Na AvEx, foi batizada de Jaguar;
– até junho de 2014, a AvEx recebeu quatro aeronaves HM-4. A única organização militar da AvEx que recebeu este modelo é o 1º BAvEx.
1– Autorrotação é uma manobra de emergência na qual os pilotos realizam o pouso com os motores apagados, ou simplesmente “desengrazados” (como se estivesse em marcha neutra.)


Revistas Verde Oliva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]