Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

sexta-feira, 22 de maio de 2015

“Em caso de guerra” com a Rússia. Finlândia chama 900 mil reservistas


Perante o aumento da tensão com a Rússia, a Finlândia envia cartas a todos os militares na reserva a informar o seu papel "em caso de guerra".

A Finlândia enviou no início do mês cartas a cerca de 900 mil reservistas do exército a informar qual será o seu papel “em caso de guerra“, escreve o Telegraph. Guerra contra quem? A Rússia, um país que anexou a Crimeia no ano passado e que partilha com a Finlândia uma fronteira de 1.335 quilómetros.

Note-se que a Finlândia não é um membro da Nato e é o segundo país na Europa, depois da Ucrânia, a ter a maior fronteira com a Rússia (com cerca de 1.335 quilómetros). Esta proximidade pode tornar o país vulnerável a agressões por parte do Governo de Vladimir Putin.

Os reservistas em questão são militares das Forças Armadas e incluem os finlandeses a viver no estrangeiro. As últimas cartas serão distribuídas no final de maio.

“Em anexo, irão encontrar detalhes pessoais, bem como o seu papel em caso de guerra”, lê-se na carta. O Exército finlandês tem atuamente 16.000 soldados, mas espera, com a resposta de alguns reservistas mobilizados, que o número ascenda a 285 mil.

Um dos reservistas que recebeu a correspondência afirmou ao jornal britânico: “O timing não foi aleatório. Deve-se claramente a uma posição mais agressiva por parte dos russos. Tenho estado na reserva há 15 anos e esta é a primeira vez que recebi algo assim. É bastante raro enviarem cartas“.

Contudo, o Governo finlandês nega que as cartas estejam ligadas à crise na Ucrânia tendo afirmado que os planos para o envio das cartas terão começado há dois anos. As cartas “estão associadas à nossa intenção de desenvolver as comunicações com nossos reservistas e não à situação de segurança prevalecente”, declarou Mika Kalliomaa, porta-voz das Forças de Defesa finlandesas.

Contudo, alguns especialistas alegam que mesmo que a iniciativa tivesse tido início antes da anexação da Península da Crimeia na Ucrânia, por parte da Rússia, o envio das cartas nesta altura terá sido promovido pela incerteza em torno das intenções do Kremlin.

“Se a Rússia tivesse escolhido o caminho da democracia liberal, não teria havido pressão para fazer isto”, afirmou Charly Salonius-Pasternak, um investigador do Instituto de Assuntos Internacionais Finlandês. “No contexto atual, faz sentido. As Forças de Defesa Finlandesas querem assegurar-se de que se precisarem, podem contar com 230 mil reservas“, explicou.

Observador

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]