Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Helicóptero de general brasileiro é alvejado na República Democrática do Congo

General Carlos Alberto dos Santos Cruz diz que ofensiva contra rebeldes deve intensificar - ONU/Sylvain Liechti
Rebeldes atacaram soldados das forças de paz das Nações Unidas

NAÇÕES UNIDAS — Rebeldes emboscaram na terça-feira uma unidade de soldados da Tanzânia das forças de paz da ONU na República Democrática do Congo, matando dois militares e ferindo 13. Um dia antes, o helicóptero do general brasileiro Carlos Alberto dos Santos Cruz foi alvejado. O comandante saiu ileso após uma aterrissagem de emergência, informou a Rádio ONU.

Segundo Cruz, as operações militares contra grupos armados devem se intensificar. A ONU afirmou que soldados tanzanianos foram atacados por supostos membros das Forças Democráticas Aliadas (ADF, na sua sigla em inglês), em Beni, no Kivu do Norte.

“O secretário-geral condena com os termos mais fortes contínuas atrocidades cometidas pelas ADF contra civis indefesos na área de Beni”, diz um comunicado da ONU.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/helicoptero-de-general-brasileiro-alvejado-na-republica-democratica-do-congo-16072460#ixzz3ZPkZ9euH
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

O Leste do Congo, rico em minerais, sofre com a violência de vários grupos rebeldes armados, incluindo o ADF. A missão de paz, a maior da ONU, inclui uma brigada de intervenção que tem o objetivo de combater insurgentes.

Herve Ladsous, chefe da força de paz, visitou o Congo no mês passado em uma tentativa de suavizar as relações com o presidente Joseph Kabila, que quer a força de paz, conhecida como MONUSCO, reduza significativamente a sua presença e planeje uma eventual saída do país.

O enviado da ONU para o Congo, Martin Kobler, advertiu que uma saída muito prematura da missão, que tem 21 mil soldados, seria desastrosa.

De acordo com as Nações Unidas, até 31 de março, foram mortos pelo menos 86 soldados das forças de paz, principalmente por acidente ou doença.

O Globo / Com agências internacionais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]