Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Paraguai exige no Parlasul "reparação" por incursão militar brasileira

O presidente da delegação do Paraguai no Parlasul, Alfonso González. EFE/Iván Franco

O presidente da delegação do Paraguai no parlamento do Mercosul (Parlasul), Alfonso González, exigiu ao Brasil nesta segunda-feira uma "imediata reparação compensatória" e que admita sua culpa por uma suposta incursão em território paraguaio que militares brasileiros fizeram em uma missão para combater o tráfico de drogas.

"A arrogância das forças de segurança do Brasil se manifestou novamente durante a recente operação 'Ágata', um colossal e anual desdobramento de soldados militares e policiais, armamento e equipamentos bélicos ao longo da faixa de fronteira com o Paraguai", diz González em artigo divulgado nesta segunda-feira no site do parlamento do Mercosul.

Conforme disse ontem à Agência Efe o porta-voz da marinha paraguaia, o capitão de corveta Miguel Salum, lanchas militares brasileiras entraram duas vezes em território paraguaio, no Lago Itaipu, e houve troca de tiros, o que motivou uma nota de protesto do Paraguai ao Brasil.

O governo brasileiro informou que investiga o caso e anunciou que enviará ainda hoje uma resposta formal ao governo do Paraguai.

De acordo com o parlamentar, o Brasil não pediu a autorização do Paraguai para fazer a operação.

Ele ainda acusou os militares de roubar seis embarcações paraguaias em águas paraguaias e qualificou caso no Lago Itaipu de "atentado fratricida contra os afãs de integração em uma região da América do Sul".

Segundo escreveu, o Brasil é um "nostálgico descendente do imperialismo opressivo" e um "foco do colonialismo lusitano".

O representante paraguaio no parlamento regional, com sede em Montevidéu (Uruguai), exigiu uma o Executivo brasileiro "admita a culpabilidade e solicite a indulgência de seu par compatriota, oferecendo segurança plena de que tal ação não voltará a acontecer".


EFE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]