Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

domingo, 27 de setembro de 2015

Força Aérea da França ataca posições do EI na Síria

Aeronaves do tipo Rafale foram empregadas em ataques aéreos contra jihadistas
Vencendo a própria resistência a uma intervenção na guerra civil síria, Paris envia aviões de combate à região. Em encontros internacionais em Nova York, o papel de Assad no futuro da Síria é ponto controverso.

Aviões de combate franceses bombardearam pela primeira vez, neste domingo (27/09), posições do grupo terrorista "Estado Islâmico" (EI) na Síria. O governo em Paris justificou a iniciativa prometendo "investir sempre que nossa segurança nacional estiver em jogo".

A operação ocorre "em coordenação com nossos parceiros na região" e prova a firmeza da França em lutar contra os jihadistas, prosseguiu o gabinete do presidente François Hollande. Segundo este, foram empregados "seis aviões, entre os quais cinco do tipo Rafale", e "o ataque atingiu seus objetivos sem consequências para a população civil".

Até o momento, a Força Aérea francesa só participara da aliança militar liderada pelos Estados Unidos no Iraque. Em 8 de setembro, Hollande anunciou a mobilização de voos de reconhecimento na região. É com base nas informações assim coletadas que se realizam os presentes ataques aéreos contra o EI.

Paris vinha resistindo a intervir na guerra civil síria a fim de não fortalecer o presidente Bashar al-Assad, classificado por várias instâncias ocidentais como ditador. Em referência à atual ofensiva aérea, o Palácio do Eliseu enfatizou a importância de proteger a população síria tanto da violência dos fundamentalistas islâmicos quanto dos "bombardeios assassinos do presidente Assad".

Síria discutida em Nova York

As autoridades francesas também apelam por uma "solução abrangente" da crise na Síria. "É mais urgente do que nunca possibilitar uma transição política, unindo elementos do regime e a oposição moderada." Ficou em aberto até que ponto o próprio Assad poderia ser parte dessa solução.

Em Nova York, o ministro francês do Exterior, Laurent Fabius, esclareceu que a renúncia de Assad não é uma pré-condição para o início das negociações sobre a situação síria, mas, no fim das contas, a sua meta. Até então, Paris exigia com veemência a deposição do presidente.

À margem da cúpula de sustentabilidade da ONU, que se encerrou neste domingo na metrópole americana, realizaram-se conversações em diversos níveis por uma solução do conflito na Síria.

Um ponto controverso segue sendo o papel a ser assumido por Bashar al-Assad num eventual cenário de paz. Diante da crescente ameaça representada pelo EI para toda a região, são cada vez mais prementes os apelos internacionais por um diálogo com o governante sírio.

Deutsche Welle.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]