Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

sábado, 26 de dezembro de 2015

Em discurso no Natal, Papa Francisco pede combate ao terrorismo

Pontífice não citou explicitamente o Estado Islâmico, mas se referiu aos atentados cometidos pelo grupo em 2015

Vaticano - O Papa Francisco fez um apelo nesta sexta-feira, em sua tradicional mensagem natalina "Urbi et Orbi", para que a comunidade internacional se empenhe no combate ao terrorismo, principalmente contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI, ex-Isis). Diante de milhares de fiéis na Praça São Pedro, no Vaticano, o líder da Igreja Católica não citou explicitamente o Estado Islâmico, mas se referiu aos atentados cometidos pela organização ao longo do ano de 2015.

"Que a atenção da comunidade internacional esteja unicamente direcionada a cessar as atrocidades na Síria, Líbia, Iraque, Iêmen e África Subsaariana, as quais provocam numerosas vítimas, causando sofrimentos", disse Francisco, no discurso "À cidade de Roma ao mundo", pronunciado todo dia de Natal, às 12h locais (9h de Brasília).

"O meu pensamento vai para os que foram vítimas de brutais ações terroristas, principalmente dos recentes eventos ocorridos no céu do Egito, em Beirute, Paris, Bamako e Tunísia", ressaltou Francisco. Em novembro, uma série de atentados coordenados em Paris provocou a morte de 130 pessoas e foi assumida pelo Estado Islâmico.

Um mês antes, o grupo reivindicou a derrubada de um avião russo que sobrevoava a região do Sinai. "Aos nossos irmãos perseguidos em tantas partes do mundo por causa da fé, que o Menino Jesus dê consolação e força", ressaltou o Papa, referindo-se às perseguições e sequestros de cristãos praticados pelo EI.

No mesmo discurso, Francisco também citou outros desafios mundiais, como as guerras no Oriente Médio, principalmente na Síria, e os conflitos no norte da África, como o da Líbia. "Ao Senhor pedimos que o acordo alcançado nas Nações Unidas consiga, o quanto antes, silenciar as armas na Síria e remediar a gravíssima situação humanitária da população que está esgotada", apelou Francisco.

"Também é urgente que o acordo sobre a Líbia tenha o apoio de todos para que sejam superadas as graves divisões e violências que aflingem o país", comentou o líder católico, referindo-se ao recente tratado para a formação de um governo de unidade política no país, que sofre com uma guerra civil há cinco anos. "No Oriente Médio, continuam as tensões e violências.

A paz permanece um dom a ser invocado e construído", lamentou o Papa, contando desejar que "israelenses e palestinos possam retomar um diálogo" e "chegar a um acordo que permita que os dois povos convivam em harmonia, superando um conflito que há muito tempo os contrapõe".

Outro tema mencionado por Francisco foi a crise imigratória que atinge a Europa e a qual se intensificou em 2015, gerando o maior movimento de deslocados forçados desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). "Que não falte conforto aos que fogem das guerras e da miséria, viajando em condições desumanas e arriscando suas vidas.

Que eles sejam recompensados com bençãos abundantes e que cada Estado os adote com generosidade, socorrendo e acolhendo os inúmeros refugiados e imigrantes", pediu o Papa, destacando que os estrangeiros ajudam a "construir um futuro" quando "se integram às sociedades que os recebem". Como parte da agenda de Natal, nesta quinta-feira Francisco celebrou a Missa do Galo na Basílica de São Pedro, no Vaticano, e fez um apelo à sociedade por simplicidade e sobriedade.


O Dia 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]