Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Super Tucanos entram na luta contra o terror



Desde abril, turboélices da Embraer atacam redutos do Taleban, da Al-Qaeda e do Estado Islâmico no Afeganistão

Roberto Godoy O Estado De S. Paulo

O avião de ataque leve A-29 Super Tucano, da Embraer, está sendo utilizado há pouco mais de dois meses pela aviação militar do Afeganistão para bombardear posições dos movimentos extremistas Taleban, Al-Qaeda e Estado Islâmico. A primeira missão do turboélice brasileiro na guerra ao terror foi na noite de 15 de abril, em Badakhshan, no nordeste do país, contra o abrigo onde estava um comandante local de forças radicais.

Nos dias seguintes, operações foram realizadas no vale do Rio Khostaki e no distrito de Jurm. A região abriga uma poderosa base de insurgentes. Três líderes locais morreram nos bombardeios. Autoridades afegãs não revelaram suas identidades. Um deles era do Tajiquistão e foi morto com outras 12 pessoas. O Taleban publicou em seu site que entre as vítimas, “da mesma família”, havia mulheres e crianças não militantes.

As ações, sempre noturnas, atingiram um campo de treinamento, provavelmente do EI, segundo um oficial do Exército. Dois depósitos - um de munições e armas, outro de equipamentos de comunicações - foram destruídos. Um comboio que levava rebeldes a um refúgio no Vale do Kuran foi interceptado a tiros pelos A-29.

A Força Aérea do Afeganistão (FAA) emprega oito Super Tucanos. Os primeiros 4, de um lote de 20 unidades, chegaram ao país em janeiro. O segundo esquadrão foi recebido em março. Os 12 aviões que completarão a frota serão agregados à frota da FAA até 2018. O contrato de fornecimento, firmado em 2012, no valor de US$ 428 milhões, inclui peças, componentes, material de suporte e treinamento.

O cliente pagador é o governo dos Estados Unidos que, por meio da Força Aérea (USAF) negociou o pacote com a Embraer Defesa e Segurança (EDS), e com sua parceira americana, a Sierra Nevada Corporation. Os aviões são montados na fábrica que a EDS mantém em Jacksonville, Flórida, onde atua um pequeno número de brasileiros. Após a integração dos sistemas eletrônicos com as asas e a fuselagem, cada aeronave é recebida pelo 81.º Esquadrão da USAF, na Base de Moodys, no Estado da Georgia. É lá que os pilotos afegãos são preparados.

O comandante da aviação do Afeganistão, general Abdul Wahab Wardak, quer montar uma força com 150 aeronaves, entre as quais uma divisão inteira de helicópteros “e mais 20 ou 30 Super Tucanos”. A encomenda suplementar dos A-29, em discussão de prazo aberto com o Departamento de Defesa dos EUA elevaria o acordo da Embraer para US$ 850 milhões.

O grupo que voa os turboélices brasileiros cumpriu um breve ciclo de instrução. A partir da base anexa ao aeroporto internacional de Cabul, os oito pilotos e seus técnicos cuidaram da patrulha armada, vigilância e reconhecimento de terreno. Na segunda quinzena de março começaram os ensaios de lançamento de bombas, guiadas e ‘burras’, de queda livre, lançamento de foguetes de 70 milímetros e tiros com as metralhadoras .50 fixas, orgânicas do avião. Logo em seguida, fogo real. O time de aviadores terá, talvez, uma oficial combatente. A capitã Niloofar Rahmani, de 24 anos, está inscrita no ciclo preparatório para comandar um Super Tucano. Niloofar pilota cargueiros C-130 Hércules.

Os aviões vão à luta com avançados sistemas de armas da classe JDAMS, para cumprir missões de bombardeio de precisão, segundo o coronel Mike Lawhorn, porta voz do programa Apoio Decisivo, de cooperação entre a Otan e o Afeganistão. Cada kit conta com um dispositivo de direção laser e mais os sensores para lançamento das novas SDB (Small Diameter Bombs), bombas inteligentes, mais leves que as da geração anterior, mas sem perda do poder de destruição e com alcance na faixa de 50 km. Atacar os redutos dos extremistas islâmicos é uma tarefa complicada. Os rebeldes constroem refúgios subterrâneos sob 10 metros de rochas nas montanhas escarpadas. O acesso é difícil. A tarefa dos Super Tucanos será a lançar as cargas explosivas nos pontos de acesso a essas cavernas.

Um comentário:

  1. A arma correta para este ambiente montanhoso do Afeganistão.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]