Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Israel prende funcionário da ONU em Gaza suspeito de ajudar o Hamas



Autoridades israelenses anunciaram nesta terça-feira a detenção e o indiciamento de um funcionário palestino do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) na Faixa de Gaza, acusado de ter participado de atividades terroristas do Hamas.

Wahid Borsh foi detido em 16 de julho e indiciado nesta terça-feira, segundo as autoridades israelenses.

Esta é segunda detenção de um trabalhador humanitário na Faixa de Gaza, onde o Hamas governa desde 2007, anunciada por Israel em menos de uma semana.

Borsh, funcionário desde 2003 do PNUD e que trabalhou na derrubada de edifícios danificados nos diferentes conflitos na Faixa de Gaza, foi acusado de "ter se utilizado de seu posto para fornecer assistência material às atividades terroristas e militares do Hamas", indicou a segurança interior de Israel (Shin Beth) em um comunicado publicado pelo governo.

Com 38 anos e proveniente de Jabalia (norte da Faixa de Gaza), Borsh agiu seguindo as instruções de um funcionário de alto escalão do Hamas, segundo o Shin Beth, que afirmou que o acusado confessou ter trabalhado para o Hamas.

No ano passado participou da construção, com os recursos do PNUD, de um cais para as atividades navais do Hamas, afirmou o Shin Beth.

O serviço de inteligência disse que Borsh agia de forma que os responsáveis do PNUD dessem prioridade a projetos de reabilitação em zonas habitadas por integrantes do Hamas.

Quando armas ou túneis com fins militares eram descobertos em casas que seriam reformadas pelo PNUD, Borsh informava ao Hamas para que tomasse o controle do local, segundo o Shin Beth.

Não foram divulgados dados sobre o dinheiro que Borsh teria desviado supostamente ao Hamas.

Segundo o comunicado, durante a investigação Borsh admitiu que "outros palestinos funcionários de organizações humanitárias internacionais também trabalhavam para o Hamas".

O caso "mostra como o Hamas utiliza os recursos das organizações de ajuda internacional em detrimento da população civil da Faixa de Gaza", segundo o comunicado.

Por sua vez, o PNUD declarou à AFP que emitiria uma resposta em breve.

Outro trabalhador humanitário detido

Na quinta-feira passada, Israel anunciou a detenção e a acusação do diretor em Gaza da ONG americana World Vision, Mohammed Halabi.

Os serviços israelenses afirmam que ele desviou a cada ano 7,2 milhões de dólares para o Hamas e seu braço armado, mas sua ata de acusação não especificava nenhum valor.

O país também acusa Halabi de ter recrutado um funcionário da ONG britânica Save The Children para o Hamas.

No entanto, a World Vision International questionou nesta terça-feira as acusações contra seu funcionário, afirmando que os números publicados pelos serviços de Israel podem ser exagerados.

Seu presidente, Kevin Jenkins, afirmou em um comunicado que uma auditoria externa estava investigando o caso, mas que "não viram nenhuma prova" de desvio de fundos.

O orçamento total da World Vision há dez anos na Faixa de Gaza chega a 22,5 milhões de dólares, um valor "difícil de conciliar" com os 50 milhões de dólares que, segundo Israel, teriam sido desviados, declarou Jenkins.

Desde 2008, Israel enfrentou em três guerras em Gaza o Hamas, classificado como organização terrorista por Israel, Estados Unidos e União Europeia.

Mais de dois terços dos 1,9 milhão de habitantes de Gaza, onde Israel mantém um bloqueio há uma década, sobrevivem graças à ajuda internacional, segundo as Nações Unidas.

Agence France-Presse (AFP)

https://www.afp.com/pt/noticia/57/israel-prende-funcionario-da-onu-em-gaza-suspeito-de-ajudar-o-hamas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]