Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Começa a grande batalha contra o "Estado Islâmico" no Iraque



Com apoio de milícias curdas e da coalizão americana, forças iraquianas tentam expulsar extremistas de seu último grande bastião no país. Cidade está há dois anos sob poder do EI.

As Forças Armadas do Iraque começaram nesta segunda-feira (17/10), com apoio de milícias curdas e da coalizão americana, uma operação para reconquistar Mossul, segunda maior cidade do país, dominada pelo "Estado Islâmico" há dois anos.

Em mensagem dirigida aos "filhos do Iraque e Nineveh", província onde se localiza a cidade, o primeiro-ministro Haider al Abadi afirmou que "em breve vocês hastearão a bandeira de Mossul no centro de Mossul e em todas as cidades e povoados". Ele pediu à população que colabore com as forças de segurança.

O premiê destacou que a operação é comandada pelo Exército iraquiano e pela Polícia Nacional, e que nenhuma outra força vai entrar em Mossul – se referindo a outros grupos que também tomam parte na ofensiva.

As forças que combatem os jihadistas incluem, além do Exército iraquiano com unidades multiétnicas e multissectárias, as Forças de Mobilização Popular (Hashd al-Shaabi), majoritariamente xiitas, milícias regionais sunitas e os combatentes curdos peshmerga.

As operações para a retomada de Mossul se iniciam após um mês de preparações. Na semana passada, o último bastião de resistência do EI no Iraque se viu cercado por mais de 60 mil soldados. Estima-se que os jihadistas tenham entre 4 e 6 mil combatentes na cidade.

Especialistas preveem que, apesar da superioridade numérica das forças pró-governo, a batalha por Mossul deverá se estender por diversos meses e que possivelmente será a mais sangrenta desde a ascensão do EI.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, disse que a operação é um "momento decisivo na campanha" contra o EI, e assegurou que seu país e os demais membros da coalizão internacional permanecem de prontidão para ajudar as tropas iraquianas "na difícil luta que têm pela frente".

No domingo, o Exército iraquiano espalhou milhares de panfletos sobre a cidade, alertando os moradores que a preparação para a ofensiva estava na fase final e assegurando que os civis serão poupados.

Mossul, com mais de um milhão de habitantes, está sob poder do EI desde meados de 2014. O primeiro-ministro Abadi afirmou que 2016 será "o ano do final do terrorismo e da organização Daesh" (acrônimo em árabe do EI).

DW - Deutsche Welle

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]