Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

sábado, 15 de outubro de 2016

Operação Amazônia treina militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, em Iranduba (AM)



Manaus, 15/10/2016 – Os moradores de Iranduba, município situado a 40 quilômetros de Manaus (AM), foram surpreendidos na manhã deste sábado (15). O porto da cidade, às margens do rio Solimões, foi tomado de assalto por tropas militares que tentaram dominar um grupo guerrilheiro. Helicópteros em voo tático desembarcaram os militares. Em poucos minutos, a situação estava dominada com a rendição dos insurgentes.

A simulação envolvendo militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica é parte da Operação Amazônia 2016, ação militar que visa treinar os Estados-Maiores Conjuntos das Forças Armadas para a interoperabilidade em operações no ambiente amazônico, e foi acompanhada pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann.


Em outro cenário, a simulação de civis feridos por explosão serviu para mostrar a capacidade de atendimento médico no local,com a atuação de profissionais médicos e enfermeiros no socorro de vítimas.

O ministro Jungmann descreveu a operação como uma ação conjunta da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, que trata de reproduzir situações que exigem a atuação das Forças Armadas e a utilização de seus meios terrestres, aéreos e marítimos, implicando o cenário de uma atividade real.


“Esse tipo de exercício é fundamental para que as nossas Forças, em primeiro lugar, estejam adestradas e prontas para atuar em um cenário como este ou similar, aqui ou na defesa das nossas fronteiras, e também, para que exercitem aquilo que se chama interoperabilidade, ou seja, a capacidade das Forças de atuarem conjuntamente, de forma articulada” destacou Jungmann.

Operação Amazônia

As atividades desenvolvidas em Iranduba compreenderam um assalto aeromóvel (tropas transportadas por helicópteros), realizado pelo 1º Batalhão de Infantaria de Selva Aeromóvel, em aeronaves do 4º Batalhão de Aviação do Exército e do 7º/9º Esquadrão da Força Aérea Brasileira, organizações sediadas em Manaus. Além disso, tropas navais isolaram o porto de Iranduba para assegurar a tomada do local pelo Batalhão de Operações Ribeirinhas, desembarcado pela Flotilha Amazonas.


Em seguida, o ministro assistiu à simulação de atendimento de feridos, por meio da prática de medicina operativa, e a evacuação para o Hospital de Campanha da Força Aérea Brasileira, montado no porto de Iranduba e funcionado com médicos militares das três Forças.

Embarcações da Marinha

O ministro Jungmann, junto com oficiais-generais da Forças Armadas, embarcou em uma lancha e percorreu o rio Solimões, num trecho onde estavam navios-patrulha e navios de assistência hospitalar da Marinha. O ministro subiu a bordo do Navio Patrulha Fluvial Rondônia, embarcação construída há 41 anos, e conheceu os principais equipamentos do navio.

O chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), almirante Ademir Sobrinho, ao folhear o livro com a história do Rondônia mostrou ao ministro algumas passagens de quando comandou a embarcação.

Antes de voltar à terra firme, Jungmann esteve no Navio Patrulha Fluvial Raposo Tavares. Uma embarcação com 42 anos de operação que passou por reformas no decorrer de sua operação.

Ação cívico social


Neste domingo (16), o Ministro da Defesa ainda acompanhará as atividades da Ação Cívico-Social que será realizada no município, para atender a população local. A ação visa prestar atendimento médico gratuito.

A Operação Amazônia é coordenada pelo Ministério da Defesa e conduzida pelo Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA). O almirante Ademir Sobrinho, chefe do EMCFA, ressaltou que é importante, em qualquer Operação, o apoio da população local, seja numa situação simulada ou real. “Nós estamos aproveitando a oportunidade para adestrar o nosso pessoal e também prestar assistência à população de Iranduba”, disse o almirante.

O Comando Militar da Amazônia (CMA) sedia e participa do Operação, que inclui ainda montagem de uma estrutura de defesa cibernética, no 1º Batalhão de Comunicações de Selva, para o treinamento de combate a ataques cibernéticos da força oponente. “Nós estamos empregando uma Força Tarefa Componente Terrestre, numa simulação de defesa da Pátria, que é a missão constitucional das Forças Armadas”, lembrou o general Geraldo Antonio Miotto, comandante do CMA.

A última edição da Operação Amazônia ocorreu em 2014, nas cidades de Manaus, Boa Vista e Normandia, a 180 quilômetros da capital de Roraima. Este ano, a Operação conta com a participação de mais de 1,8 mil militares das três Forças Singulares. Os meios empregados contam com 44 viaturas, 28 embarcações e 9 aeronaves. A Operação ocorre de 7 a 18 de outubro, em duas fases: a primeira, caracterizada por exercícios militares simulados e adestramento do planejamento conjunto dos Estados-Maiores; a segunda, por ações das tropas como reconhecimento e infiltrações aéreas na selva, escolta e resgate de reféns e embarcações; e a Ação Cívico-Social (ACISO).

Por major Sylvia Martins e Roberto Cordeiro

Ministério da Defesa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]