Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Bolívia se torna membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU



Além do país sul-americano, passam a fazer parte do grupo, Itália, Suécia, Etiópia e Cazaquistão. Esta é a terceira vez que o país assume posição no órgão.

Por Agencia Efe

A Bolívia, a partir deste domingo (1) passa a ser membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU), algo que não acontecia desde há mais de 30 anos. O mandato do país sul-americano dura dois anos.

"No Conselho de Segurança, a Bolívia será a voz dos povos do mundo e lutará por construir um planeta sem invasores, nem invadidos", escreveu no Twitter o presidente boliviano Evo Morales.

O biênio 2017-2018 é o terceiro do país sul-americano no principal órgão de decisão da ONU, já que também fez parte entre 1978 e 1979, além de 1964 e 1965. A Bolívia subsitui a Venezuela, como um dos dois representantes da América Latina e do Caribe, dentro do Conselho de Segurança, em que continuará, por mais um ano, o Uruguai.

Junto com a Bolívia, também ingressam no órgão outros quatro países, de diferentes continentes do planeta: Itália, Suécia, Etiópia e Cazaquistão, que substituem Espanha, Nova Zelândia, Angola e Malásia.

Por outro lado, além do Uruguai, permanecem como membros não-permanentes Egito, Japão, Senegal e Ucrânia. Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido são os nações com assento permanente.

A candidatura boliviana contava com o aval do grupo de países da América Latina e o Caribe, por isso, não houve oposição na votação realizada em junho de 2016, na Assembleia Geral da ONU.

Nos últimos anos, o país presidido por Evo Morales denunciou repetidamente as carências democráticas do Conselho de Segurança da ONU, uma postura crítica que o governo prevê manter como membro do órgão.

O embaixador boliviano na ONU, Sacha Llorenti, revelou que entre as prioridades estão discutir a questão palestina, o processo de paz na Colômbia e a defesa dos princípios da carta das Nações Unidas.

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]