Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

sábado, 9 de dezembro de 2017

Iraque declara fim da guerra contra 'Estado Islâmico'



Primeiro-ministro iraquiano anuncia que jihadistas foram expulsos dos últimos redutos controlados pelo grupo terrorista na fronteira com a Síria. "Foi consumada libertação de todos territórios do Iraque", disse militar.

O primeiro-ministro do Iraque, Haider al Abadi, declarou neste sábado (09/12) que o país está livre do grupo Estado Islâmico (EI), depois de três anos de domínio dos jihadistas em territórios estratégicos no país.

"As nossas forças conseguiram o controle total das fronteiras com a Síria", garantiu Abdadi em um pronunciamento em Bagdá. "A vitória foi conquistada graças à unidade de todos os iraquianos na luta contra um inimigo que não pensava que veríamos neste dia", acrescentou.

A fronteira com a Síria era o último reduto que o EI mantinha em território iraquiano. Os jihadistas ainda controlavam as províncias de Ninawa e Al Anbar.

"Foi consumada a libertação de todos os territórios do Iraque dos grupos do Daesh [acrônimo do EI em árabe] e nossas forças estão com o controle das fronteiras entre o Iraque e a Síria desde a passagem fronteiriça de Al Walid até a de Rabia", detalhou o subcomandante das forças iraquianas conjuntas, Abdelamir Yarala, em comunicado.

Em novembro, as forças iraquianas conseguiram retomar o controle de Rawa, próximo à fronteira com a Síria. Nos dias seguintes, o Exército do Iraque continuou a campanha contra os jihadistas nas áreas desérticas do país na região da fronteira com a Síria.

Longa batalha

Em 2014, o EI lançou uma ampla ofensiva na Síria e no Iraque, e ocupou uma grande parte do território iraquiano. Em 10 de julho deste ano, as forças de segurança do país conseguiram retomar o controle de Mossul, a segunda maior cidade do Iraque e o principal núcleo urbano que os jihadistas chegaram a dominar.

A batalha para recuperar Mossul deixou grande parte da cidade em ruínas e milhares de civis mortos. Quase 1 milhão de residentes fugiram da cidade desde a chegada das forças iraquianas, em outubro de 2016. Em todo o país, há mais de 3 milhões de deslocados.

Os Estados Unidos lideram a coalizão internacional que apoiou a campanha contra o EI em Mossul, conduzindo bombardeios contra os militantes e auxiliando soldados em solo.

Sem Mossul – que era de longe a maior cidade controlada pelos jihadistas – o domínio do EI no Iraque foi reduzido a áreas predominantemente rurais ou desertas a oeste e sul da cidade.

A ONU estimou que são necessários mais de 1 bilhão de dólares para reparar a infraestrutura básica de Mossul, no norte do Iraque. Em algumas das áreas mais afetadas, quase nenhum prédio ficou livre de danos.

DW - Deutsche Welle

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]