Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

quinta-feira, 19 de abril de 2018

AVIAÇÃO DE CAÇA - Distintivo de Condição Especial identifica os Oficiais Aviadores


Os militares não tripulantes também possuem um distintivo

O principal símbolo da Aviação de Caça é o Distintivo de Condição Especial, que é de uso exclusivo dos Oficiais Aviadores declarados Pilotos de Caça. O distintivo foi criado em 1973 pelo então Primeiro-Tenente Luiz Nogueira Galetto que, na época, era instrutor do Esquadrão Pacau (1°/4° GAV), em Fortaleza (CE). Ele já havia criado algumas "bolachas" para a Força Aérea Brasileira (FAB) e sugerido algumas ideias, como as faixas nos lemes dos AT-26 com os naipes de baralho e, posteriormente, as dos F-5.


"Em um dos encontros dos esquadrões de caça, o então Capitão Aviador João Lúcio Gatti, do Esquadrão Pampa (1º/14º GAV), de Canoas, nos procurou para um desafio: criar um símbolo que representasse essa arma, baseado em uma seta que apontasse para a direita", relembra o hoje Coronel da reserva Galetto.

Para elaborar o distintivo, inicialmente foi selecionado o escudo francês, já que a França foi o cenário do considerado primeiro combate aéreo da história e, também, os franceses foram os responsáveis pelo treinamento dos primeiros pilotos brasileiros, no Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro, e do embrião dos Esquadrões de Caça. A cor de fundo adotada foi o azul para representar o céu do país e tem os significados de virtude, justiça, lealdade e força.

A seta foi, então, desenhada de forma simples, tridimensional, voltada para a direita, e preenchendo o centro do escudo, denominado "coração", ponto de honra. A cor escolhida foi a prateada, significando readiness for battle, prontidão para a batalha, segundo o American College of Heraldry (Colégio Americano de Heráldica).

As cinco estrelas pentalfas (de cinco pontas) representam a constelação do Cruzeiro do Sul. Foram colocadas ainda, no topo do escudo, estrelas que indicam o perfil do piloto detentor do símbolo.


"A Aviação de Caça sempre foi a atividade mais desafiadora da nossa vida. O piloto de caça, além do conhecimento necessário que está um pouco mais complexo hoje em dia, deve ser motivado, agressivo e manter a perseverança. É um orgulho muito grande e ficamos imensamente felizes em ver o escudo nos uniformes dos nossos caçadores, do nosso Comandante ao Tenente mais moderno de um Esquadrão de Caça", conclui o coronel.

O distintivo é conhecido, entre os pilotos, como "sorvete da caça". O apelido foi dado devido ao primeiro desenho da seta, cuja cauda era mais comprida, parecendo um copinho de sorvete.

Não Tripulantes

Já o Distintivo de Militares Não Tripulantes da Aviação de Caça é circundado parcialmente por uma roda dentada (engrenagem), simbolizando a dedicação e o profissionalismo dos homens da manutenção. As estrelas no topo do escudo representam o tempo de serviço em Unidade de Caça: uma estrela (10 anos); duas estrelas (15 anos) e três estrelas (20 anos).

Agência Força Aérea



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]