Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Forças de Bashar al-Assad. lutam pela região de Damasco


A Síria tentava, este domingo, consolidar a presença em Damasco e arredores, ao bombardear um dos últimos feudos dos jiadistas do autoproclamado Estado Islâmico ou Daesh (sigla em árabe) e com a expulsão de grupos de rebeldes de uma região a nordeste da capital.


Pelo menos cinco pessoas, entre as quais, um casal e o filho, morreram nas últimas 24 horas de bombardeios que atingiram o campo de refugiados palestiniano de Yarmuk e bairros vizinhos.

Os dados foram avançados pelo chamado Observatório Sírio dos Direitos Humanos. A Euronews não pôde verificar a exatidão das informações, citadas pela agência France Presse.

As tropas sírias bombardeiam há dias o campo de refugiados palestiniano, grande parte em mão dos jiadistas do Daesh, ainda assim o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, disse que a região permanecia sob ataque.

Entre as vítimas estava um casal e seu filho, mortos no sábado, de acordo com o OSDH, segundo o qual um homem morreu devido a seus ferimentos e outro nos bombardeios lançados neste domingo.

A nordeste de Damasco, mais de mil combatentes rebeldes e familiares foram evacuados este fim de semana da região de Qalamun oriental, graças aos acordos entre o Governo de Bashar al-Assad e os rebeldes, para consolidar o seu poder nas imediações da capital.

Depois de recuperar o controlo do enclave rebelde de Ghouta Oriental (a nordeste da capital), o Governo de Damasco quer retomar o controle de Yarmuk e de al-Hajar al-Aswad, ainda sob poder do Daesh e da al-Nousra.

Uma conferência para a Síria

Enquanto isso, reunidos no sul da Suécia, os membros do Conselho de Segurança da ONU comprometeram-se, este domingo, a aumentar os esforços para superar as divisões relativamente ao conflito sírio.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, e o enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, também participaram no encontro.

Desde o seu início, em 2011, o conflito na Síria foi tornando-se cada vez mais complexo, com a implicação de países estrangeiros, potência regionais e de grupos jiadistas.

Já morreram mais de 350 mil pessoas e milhões ficaram sem as suas casas, vivendo como deslocados no interior da Síria ou tendo migrado em busca do Estatuto de Refugiado Político no estrangeiro, nomeadamente em países europeus.

EuroNews

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]