Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

terça-feira, 3 de julho de 2018

Boeing e Embraer se aproximam de acordo para criar joint venture


Claudia Safatle E Fabio Murakawa Publicada Em 03/07/2018 - 05h00

A Embraer e a Boeing já prepararam os memorandos de entendimento e solicitaram ao governo uma reunião para apresentá-los. Os documentos estabelecem a associação das duas empresas mediante uma joint venture com controle da Boeing, multinacional americana, e participação minoritária da Embraer. Por esse acordo, a parte da defesa ficaria em uma empresa separada e integralmente controlada pela atual Embraer.

A expectativa de quem está acompanhando de perto as conversações é de que a reunião para apresentação dos memorandos de entendimentos será marcada para as próximas duas semanas.

Executivos das duas empresas estiveram reunidos na semana passada em Évora, Portugal, onde a companhia brasileira possui uma fábrica. As notícias, segundo disse um ministro ao Valor, são de que "as coisas estão caminhando bem".

No governo, o tema vem sendo monitorado por representantes dos Ministérios da Fazenda e da Defesa, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Aeronáutica. Enquanto fontes no mercado falam em um acordo próximo, a pasta da Defesa trata a informação ainda como "especulação".

Os memorandos de entendimento detalham como ficam o desenvolvimento da pesquisa no Brasil, o emprego dos engenheiros, a divisão dos ativos, as compras conjuntas e o uso da joint venture para impulsionar as vendas da Embraer defesa. O desfecho das negociações entre as duas empresas está próximo.

Fontes do governo atribuem às duas empresas as maiores dificuldades em todo o processo. No início, o único reparo do governo, quando soube do interessa da Boeing em adquirir ou fazer uma parceria com a Embraer, foi manifestar preocupações quanto ao que poderia acontecer com o braço de defesa da Embraer e com a continuidade da pesquisa no Brasil.

A área de defesa da Embraer opera muito próxima da área comercial e as inovações dos projetos de defesa acabam, não raro, sendo utilizados na área comercial da companhia. Ao governo interessava saber como, em uma eventual fusão, ficaria o formato e, também, quais as restrições que o governo americano poderia colocar no braço de defesa da Embraer no caso de uma aquisição.

A primeira abordagem da Boeing foi a possibilidade de uma aquisição quase que integral da Embraer e eventual fechamento de capital da empresa. Tal proposta, porém, nem chegou a ser apresentada ao conselho de administração da empresa brasileira e o governo deixou claro que teria restrições a esse modelo, dada a importância da Embraer na pesquisa e em projetos de defesa no país.

Em fevereiro, quando as considerações do governo brasileiro foram levadas à Boeing, ficou claro para as duas empresas que a saída seria uma parceria. De março para cá, as maiores dificuldades nas negociações foram as restrições impostas pelo conselho da Embraer.

Nos dois últimos meses, maio e junho, ambas passaram a trabalhar em uma associação por meio de uma joint venture com controle da Boeing e com participação minoritária da Embraer. A área de defesa, nesse modelo, seria apartada e ficaria sob o guarda chuva de uma nova empresa controlada 100% pela atual Embraer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]