Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

26 de janeiro de 2024

Primeira Fragata “Tamandaré” em fase final de construção

O lançamento ao mar da Fragata “Tamandaré”, primeiro dos quatro novos navios-escolta que passarão a equipar a Marinha do Brasil ao longo desta década, está previsto para meados deste ano. Já o segundo navio da Classe, que será batizado de Fragata "Jerônimo de Albuquerque”, teve iniciado o corte das chapas de aço que comporão seu casco. Ambos fazem parte do Programa Fragatas Classe Tamandaré (PFCT), o mais moderno e inovador projeto de construção naval desenvolvido no País e que tem a expectativa de gerar cerca de 2 mil empregos diretos e 6 mil indiretos.


O PFCT tem como propósito modernizar a Esquadra brasileira, reforçando sua capacidade de  garantir a soberania do País, além de incentivar o crescimento da indústria de defesa nacional e da cadeia produtiva necessária à construção dos navios em solo brasileiro. Conduzido pela MB, o programa é gerenciado pela Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON) e executado pela Sociedade de Propósito Específico Águas Azuis, que é composta pelas empresas Thyssenkrupp Marine Systems, Embraer Defesa & Segurança e Atech.

Com alta complexidade tecnológica, as novas fragatas serão versáteis e de alto poder de combate, capazes de se contraporem a múltiplas ameaças, e serão utilizadas para proteger as riquezas da Amazônia Azul. As embarcações serão destinadas, também, para operações de busca e salvamento e apoio à política externa brasileira.

“O Programa Fragatas Classe Tamandaré amplia nosso compromisso com a sociedade de preservar e proteger as águas jurisdicionais brasileiras, valorizando a mão de obra nacional, usando o que há de mais moderno em tecnologia e fomentando a nossa Base Industrial de Defesa”, reforçou o Diretor-Geral do Material da Marinha, Almirante de Esquadra Edgar Luiz Siqueira Barbosa.

PEC da Defesa e Inclusão no PAC

Integrando o Programa Estratégico de Modernização do Poder Naval, o PFCT foi incluído, em 2023, no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal. Com isso, o projeto teve apoio parlamentar para a busca de liberação de recursos junto ao Congresso Nacional. Uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) foi protocolada no Senado Federal em outubro de 2023, denominada “PEC da Defesa”, que visa garantir um orçamento igual ou superior a 2% do Produto Interno Bruto (PIB) para a Defesa, observada a razoabilidade de um incremento anual percentual gradual (0,1%/ano).

Com isso, a proposta está em sintonia com o cenário geopolítico atual, que tem incentivado grandes e médias potências a elevarem seus investimentos para renovar seus sistemas de Defesa. Nos últimos 10 anos, o Brasil provisionou, em média, o correspondente a 1,32% do PIB para a  defesa nacional, enquanto outros países em desenvolvimento investiram mais, como a Índia (2,4%), a Colômbia (3%) e o Chile (1,8%).

A ênfase dada pela PEC aos Programas Estratégicos das Forças Armadas preveem o desenvolvimento e a fabricação de sistemas e equipamentos em território nacional, atividades intensivas na geração de empregos e no desenvolvimento de ciência e tecnologia, como o Programa Fragatas Classe Tamandaré. O aumento gradual do orçamento proposto pela “PEC da Defesa” pode render dividendos econômicos e sociais internos, além de contribuir para a manutenção e fortalecimento do poder dissuasório brasileiro.

Revista Segurança & Defesa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]