Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

sexta-feira, 6 de março de 2020

Ala 5 tem novo comandante


A Ala 5 realizou, na sexta-feira dia 6º de março, às 9h30, a Cerimônia Militar de Passagem de Comando do Brigadeiro do Ar Augusto Cesar Abreu dos Santos ao Coronel Aviador Luiz Cláudio Macedo Santos.


A cerimônia foi presidida pelo Comandante de Preparo da Aeronáutica (COMPREP), Tenente-Brigadeiro do Ar Luiz Fernando de Aguiar e contou com a presença de autoridades civis dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário e militares das três Forças Armadas e Forças Auxiliares.



A Ala 5 abriga três esquadrões aéreos: um de caça, o Esquadrão Flecha (3º/3º GAV); um de transporte, o Esquadrão Onça (1º/15º GAV); e um de busca e salvamento, o Esquadrão Pelicano (2º/10º GAV). Além disso, fazem parte da Ala 5 o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS), conhecido como PARA-SAR, e um Grupo Logístico. “O desempenho da Ala 5 é fundamental para a reestruturação e é um fator de sucesso para que a FAB cumpra sua missão de manter a soberania do espaço aéreo e integrar o território nacional com vistas à defesa da Pátria”.

A Ala 5 fez parte do inicio da programa de reestruturação administrativa e operacional da FAB que tem o objetivo de concentrar serviços e direcionar investimentos para a atividade-fim. “Obstinados, olhando firme para o futuro, trabalhamos para que, no menor tempo que se fizer possível, possamos ver o alvorecer de uma Força Aérea ainda mais vibrante, operacional e pujante”.



Em 1932, o então Ministério da Guerra do Brasil (atual Ministério da Defesa) concluiu que era necessário criar um Núcleo de Destacamento de Aviação na cidade de Campo Grande, com o objetivo de apoiar as aeronaves que transitavam pela região Centro-Oeste do Brasil. Para receber a nova base, foi construída uma infra-estrutura mínima com uma pista de pouso de 600m de comprimento e 60m de largura. Em 1933, o Exército ampliou a pista para 1400m de comprimento e 100m de largura.


A partir da base, em 10 de março de 1934, foi inaugurada a primeira linha do Correio Aéreo de Fronteira, atendendo a região sul do antigo Estado de Mato Grosso (atual estado do Mato Grosso do Sul) utilizando aviões Waco CSO.


A denominação do núcleo de Campo Grande foi modificada, em 1 de junho de 1939, para 3º/2º Regimento de Aviação e, em 17 de janeiro de 1940, para 8º Corpo de Base Aérea. Em abril de 1945, a unidade passou a se chamar Destacamento de Base Aérea de Campo Grande e, finalmente, em 15 de setembro do mesmo ano, o destacamento foi desativado nascendo a Base Aérea de Campo Grande - BACG.


Até 1965 a BACG era utilizada apenas para apoiar o Correio Aéreo Nacional, mas, a partir de 1966, passou a sediar a Esquadrilha de Reconhecimento e Ataque 42, a ERA 42, equipada com aeronaves North-American AT-6. Em maio de 1970 porém, a ERA 42 foi fundida com a ERA 51, dando origem ao 1º Esquadrão de Reconhecimento e Ataque - 1º ERA, com sede na Base Aérea de Canoas, no Rio Grande do Sul.

Em setembro de 1970 a BACG voltou a ativa com o recém ativado 1º/15º GAv - Esquadrão Onça e, em janeiro de 1981, recebeu o 2º/10º GAv - Esquadrão Pelicano (transferido da Base Aérea de Florianópolis). Finalmente, em 11 de fevereiro de 2004, tornou-se sede do recém ativado 3º/3º GAv - Esquadrão Flecha.

Desde outubro de 1979, funciona na BACG o Destacamento de Proteção ao Voo de Campo Grande, antigo DPV_CG, hoje denominado DTCEA-CG (Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Campo Grande), responsável pelas atividades de proteção ao voo e controle de tráfego aéreo no estado do Mato Grosso do Sul.

Atualmente sua estrutura organizacional de apoio ao voo é ampla contando entre outros com Esquadrão de Suprimento e manutenção, Capelania, Esquadrão de Saúde (Hospital da Base Aérea de Campo Grande), Intendência, Esquadrão de Pessoal, Radares em outras localidades de Mato Grosso do Sul.


A ativação da Ala 5 faz parte do programa de reestruturação administrativa e operacional da FAB que tem o objetivo de concentrar serviços e direcionar investimentos para a atividade-fim. “Obstinados, olhando firme para o futuro, trabalhamos para que, no menor tempo que se fizer possível, possamos ver o alvorecer de uma Força Aérea ainda mais vibrante, operacional e pujante”, destacou o Comandante da Ala 5

Alexandre Alves - Repórter Fotográfico
Site Assuntos Militares.


Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]