Slider

Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira Foto: Ricardo Pereira

terça-feira, 13 de outubro de 2020

#Interoperabilidade | Forças Armadas treinam Guia Aereo Avançado para combate

Adestramento conjunto capacita militares para emprego de armamento aéreo.

Campo Grande (MS), 13/10/2020 – Exercer a defesa do Brasil é uma das características das Forças Armadas. Para realizar esse trabalho com destreza e excelência, treinamentos são realizados continuamente. Um deles é o Adestramento Conjunto Específico entre Marinha, Exército e Aeronáutica, que visa a formação operacional de Guia Aéreo Avançado (GAA). A formação ocorre entre 21 de setembro e 17 de outubro na Ala 5, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

A Operação Nuntius é conduzida no contexto desse Adestramento. É um preparo de alto nível direcionado para Forças de Operações Especiais, de modo a padronizar as técnicas, táticas e procedimentos (TTP) e promover a interoperabilidade entre as Forças.

O foco é preparar os militares em guiamento de aeronaves, utilizando-se de comunicação por rádio para que, em solo, militares possam assessorar pilotos para ataque aéreo a instalações de forças inimigas.

Pela especificidade da função, apenas 11 militares participam do treinamento: três da Marinha, quatro do Exército e quatro da Aeronáutica. É uma continuação da preparação de 2018 e 2019. O Gerente Operacional do Adestramento, Major Igor Duarte Fernandes, explica que o procedimento é feito em três etapas: identificação do alvo – geralmente uma instalação inimiga; obtenção da coordenada – por meio de objetos como telêmetro, óculos de visão noturna e marcador infravermelho; e transmissão de informações para o piloto. “É um adestramento com alto nível de responsabilidade, pois um erro do piloto pode ocasionar um ataque na tropa amiga”, enfatiza.

O curso é realizado em duas etapas: teórica – realizada de forma remota, pelo ensino à distância – e a presencial – voltada à prática. A primeira iniciou em 20 de julho e foi até 15 de setembro, já a segunda começou em 21 de setembro e terminará em 17 de outubro. Para o exercício, são empregadas 5 aeronaves A-29, da Força Aérea e 2 aeronaves AF-1, da Marinha.

Na parte prática, antes de partir para o trabalho em campo, os militares recebem orientações em sala de aula. O Tenente S., do Comando de Operações Especiais (Copesp) do Exército, é um dos alunos do curso. Para ele, toda a qualificação anterior do militar, somada à capacitação teórica, o prepara para os desafios que ele pode lidar a campo. “É um trabalho que exige muita autoconfiança, concentração, empenho e dedicação no que está sendo feito. Temos que ter uma real noção do trabalho para que nada que façamos seja ao acaso” acentua. Ele menciona todo o preparo realizado: estudos da área, dos alvos, das posições amigas, possíveis danos colaterais e consciência situacional.

Cuidados contra a Covid-19

Diante da pandemia do coronavírus no país, o Comando da Ala 5 preocupou-se em organizar o Adestramento com um plano de biossegurança. Esse planejamento envolveu três etapas: planejamento, prevenção e mitigação.

Na primeira, antes mesmo de ingressarem para a capacitação, todos os militares tiveram que apresentar o exame negativo de Covid-19, feito com, pelo menos 48 horas de antecedência. Posteriormente, no meio do exercício, mais um teste foi realizado e, antes de retornarem para suas Organizações Militares, mais uma contraprova.

O uso de máscaras é obrigatório em todas as dependências. Além disso, todos os alunos ficaram alojados no mesmo hotel, com, no máximo, dois por quarto. Todos os dias, um médico afere temperatura e realiza oximetria (saturação de oxigênio no sangue). As salas de aula possuem tapetes sanitizantes na entrada e são higienizadas pelo menos duas vezes por dia.

Para reduzir o contato físico, os alunos realizaram o briefing de forma virtual – no mesmo local, mas em espaços físicos diferentes. Na terceira etapa do plano, foi pensado em um possível contágio: momento de mitigação. Nesse caso, o indivíduo contaminado seria isolado, bem como aqueles que tiveram contato com ele, com monitoramento médico adequado. Para executar esse plano de biossegurança, foram designados 23 militares.

Ministério da Defesa



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[Fechar]